segunda-feira, junho 04, 2012

SESSÃO NOSTALGIA /SESSÃO FLASH- BACK por Ovadia Saadia

DENER, O LUXO
Quase tudo já foi dito sobre Dener Pamplona de Abreu. Menos da falta que seu chique e saber-viver fazem na cidade. Morreu pobre, em 1978 aos 42 anos, é verdade, gastou tudo em festas e jantares. Naquela Época, os anos 60/70, era assim. Os eventos não eram comerciais. Em breve será lançado grande exposição (a procura de patrocínios), um espetacular e novo livro com foco na sua arte e sua moda (by Cosac Naif), além da peça (com Tuca Andrada) contando a vida deste inesquecível e único personagem social tipicamente paulistano.

São Paulo parou em 09 de agosto de 1965 para o casamento 
de Dener e Maria Stella, então com apenas 15 anos.
 As amigas Odette Matarazzo, Dulce Simonsen (1924- 2003). 
Atrás, as manequins Dener e Mademoiselles d’honneur, todas vestidas em cereja, Milú, e à direita Leilah Assumpção (ela mesma, a teatróloga) e Eugênia Fleury (hoje, uma das grandes mulheres da moda no Brasil). La vie en rose! Não foi bem assim, mas.....

Dener, ao lado de sua mulher Maria Stella, aos 18, recebe com fidalguia o playboy milionário Gunter Sachs e sua nova conquista, a modelo escandinava Mirja Larsen.Lúcia Matarazzo (ou seria Heléne?) era uma das presentes mais assíduas. Era 1968.

Com os Matarazzo, com Maria Stella (née Splendore).  Noites espetaculares, roupas deslumbrantes, dias sem amanhã.
 Os anos 1970 estavam chegando
Para os jovens pode parecer uma cena de Austin Powers. Que nada! Eram os anos de ouro da mondanité paulistana: o príncipe Dener, Heléne (ou Lúcia?) encantada com Gunter, que esquecia Brigitte Bardot nos braços de Mirja. Stella e seu novo vestido. 
Quem se lembra?
No terraço da espetacular casa do Pacaembu, em frente ao Estádio, 
com Maria Leopoldina recém nascida. 
Era 1969
Maria Stella chega aos anos 1970 com os dois filhos Maria Leopoldina, 
hoje com 37 anos e mãe de Mariana, Juan, Maria Clara e Maria Júlia;
 e Frederico, já falecido.

Hoje, 2006, mora sereníssima no interior paulista em Pindamonhangaba na Fazenda Nova Gokula e devota da ciência Krishna

BOBBY MOORE

Um dos maiores zagueiros de todos os tempos, Bobby Moore 
disputou os mundiais de 1962, 66 e 70 pela Inglaterra, 
tendo somado 14 partidas em Copas. 
Em 1966 foi fundamental na única conquista inglesa de um campeonato mundial. Dono de uma categoria invejável reinou soberano na defesa inglesa por 11 anos, até se despedir do selecionado em 1973, 
depois de disputar 108 jogos. 
Faleceu em 1993 depois de uma dura luta contra o câncer. 
Aqui chega em 1971 ao São Paulo Hilton Centro, na fase inaugural, acompanhado da mulher, Tina Moore, modelo famosa da swinging London.
 Maurício Kus (dir.) fez as honras.
 Tina esteve no Wembley Stadium onde foi erguida uma homenagem 
em bronze e está á frente da instituição de pesquisa sobre o câncer 
que levam o nome do craque que um dia encantou também sampa.

ALAIN DELON ( O homem mais belo do mundo)
Alain Delon, então o homem mais belo do mundo, veio para sampa
 em 1967 com uma comitiva francesa, que incluía Catherine Deneuve 
e Jean Claude Brialy. No Hotel Jaraguá, hoje revitalizado, ao sair do
 elevador foi atacado pelas fãs enlouquecidas. Deu segurança, 
polícia e primeiras páginas dos jornais. E o filme O Sol por testemunha, distribuído pela Condor Filmes, explodiu nas bilheterias do Brasil

Régine's São Paulo inaugurou 27 de março de 1981 com uma constelação. 
Entre eles, Alain Delon , então ainda considerado o homem mais bonito do mundo, que veio com sua Mireille D'arc. Lá encontraram a musa da TV Marlene Silva. Ficou só nas fotos. Delon queria mais. Mireille esbravejou. Sobrou para Régine. Aznavour cantava ao vivo no meio da briga. Ursula Andress fugiu com um rapaz árabe no meio da festa. Luxo

Frisson blasé na largada do Régine's, na Rua Jorge Coelho, hoje nova
 Faria Lima. 1981.Com Omar Sharif e Régine, vestida por Balmain: 
aves do paraíso em São Paulo. Régine não tem boas recordações desta glamurosa, cara e ousada aventura paulistana. Durou de 1981 a 1986.

CYLL FARNEY E MAURICIO KUS
1970, Cine Marabá, o Centro era Chique. Na estréia de “A Madona de Cedro”, o galã dos filmes da Atlântida Cyll Farney (1925- 2003) cumprimenta o 
RP Bossa Nova Maurício Kus, observado por Valentim, o fotógrafo de 
Sergio Porto (o Stanislaw Ponte Preta), todos especialistas em 
mulheres bonitas e vedetes. Sobre o esquecido Cyll: O sucesso veio a 
partir de 1952, com a Atlântida. Apesar da popularidade e dezenas de
 filmes, a fama de galã impediu que Cyll Farney desse grandes saltos 
em sua carreira. Ele contava que, no fim dos anos 50, quando também trabalhava como produtor da Atlântida, recebeu um roteiro internacional que apesar de sensacional, reservava-lhe um papel em que deveria se vestir de mulher. Como não ficava bem para sua condição de galã, ele recusou
 pagar os US$ 5 mil pedidos pela história. Anos depois, o roteiro 
transformou-se na clássica comédia Quanto Mais Quente Melhor, de 
Billy Wilder. "Eu me arrependi de não ter feito aquele filme", dizia.
 "O papel da Marilyn Monroe seria da Eliana, eu faria o do Tony Curtis
 e o Oscarito o de Jack Lemmon.Todo mundo se lembra da fita, que se 
tornou um referencial quando se fala em comédia." Ainda tem senhorinhas de seu fã- clube vivas no bairro da Lapa.

OMAR SHARIF
Primos, Omar Sharif e Naji Nahas em 1996 ofereceram um drink 
para alguns amigos, como Hilde Maksoud e irmã. Omar -e seu 
insuportável mau humor - ainda voltou duas vezes para sampa em
 1998 e 2004 para o nababaesco casamento da filha de Naji, 
quando Paul Anka deu o show. Da última vez ficou no Gran Hyatt. 
Reclamando.
  PALLADIUM                                        
Foi uma das casas de show mais notórias de sampa; a mais luxuosa 
de todas. Dirigida pelo expert Abelardo Figueiredo, a casa teve vida curta, 
de 1987 a 1990. Os shows eram divinos, grandiosos. 
Wilma Dias, a moça da banana do programa do Jô (1945- 1991)
 tirava a roupa. Era o "nú artistico". 
Edson Celulari, garotinho, filmou lá Guerra dos Sexos em 1985.

 SOUL TRAIN
                                      
Boate e discoteca precursora da Rua Amauri. 
Era uma maravilha, bem comportada, gente linda.
 Os donos eram Johnny e Verê Sonnenthal.
Em 1985 Wilson Simonal (1938- 2002) gostava de ir lá com os amigos.
 E o DJ tocava Descendo a rua da ladeira. 
E a festa rolava. Só agora foi confirmado: as histórias terriveis 
que acabaram com a carreira, talvez a vida, do pai de Simoninha 
não passavam de boatos. Too late!
                                                           
                         DIAS FELIZES EM OUTROS JULHOS

Julho de 81, John Travolta veio ao Rio de Janeiro, ainda na estreia de Grease e dos Embalos que abalaram o mundo para lançar Um tiro na noite de Brian de Palma. Cheio de charme aos 27 anos ficou apenas 3 dias e foi 1 vez à praia.

Julho de 1983, SP, na boate Régine's o saudoso RP gaucho -carioca 
Guncho Maciel recebia Vera Fischer de paetês depois das filmagens do 
estranho filme Amor Voraz, obra maldita de Walter Hugo Khoury, 
onde o galã era Marcelo Picchi.
  
Em São Paulo (julho de 88) os jovenzinhos 
Malu Mader e Taumaturgo Ferreira tentavam carreira teatral em 
Dores de Amores, quue fez certo sucesso e chamou atenção aos lindinhos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário