Pular para o conteúdo principal

Lembrar para jamais se repetir

Abraham Goldstein*

Vinte e sete de janeiro foi o Dia Internacional de Recordação das Vítimas do Holocausto. A data, instituída em 2005 pela Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), marca a lembrança do extermínio de milhões de vítimas pelas mãos do regime nazista. Na mesma data, no ano de 1945, o exército soviético abria as portas do campo de Auschwitz-Birkenau, na Polônia, e findava o período de terror imposto ali pelo III Reich de Adolf Hitler.

Mais do que homenagear as vítimas dessa terrível passagem da história da humanidade, a data existe para lembrar o Holocausto, quando seis milhões de judeus, além de ciganos, homossexuais, religiosos e militantes políticos foram brutalmente assassinados nos campos nazistas de extermínio da Europa. E a data também existe para impedir que essa barbárie seja negada.

A data é recordada em mais de 100 países. No Brasil, o dia é marcado por diversas solenidades, acendimento de velas e relatos de sobreviventes do Holocausto que escolheram o Brasil como seu novo lar. Depoimentos fortes, que trazem para a sociedade a dor e o sofrimento de uma época que jamais poderá ser esquecida.

A desatenção e a falta de memória da sociedade criam um ambiente favorável para ascensão de novas organizações extremistas e xenófobas, bem como o surgimento de líderes de grupos portadores de ideologias racistas e totalitárias, que justificam a segregação racial, religiosa, nacional ou qualquer outro tipo de negação do Outro para conduzir uma nação. Para que esse alerta se torne permanente é fundamental a construção de uma inabalável cultura de paz.

Com esse duplo objetivo – registrar para jamais esquecer e educar para a paz, nasceu em São Paulo uma iniciativa conjunta entre a B’nai B’rith - Filhos da Aliança, em hebraico, principal entidade judaica dedicada aos Direitos Humanos -, e o Arqshoah - Arquivo Virtual sobre Holocausto- do Laboratório de Estudos sobre Etnicidade, Racismo e Discriminação do Departamento de História da Universidade de São Paulo (LEER/USP): o Instituto Shoah de Direitos Humanos (ISDH).

Localizado no bairro dos Jardins, zona Sul da capital, o ISDH abre suas portas com um acervo de 12 mil documentos entre papéis diplomáticos e fotografias, além de vídeos com testemunhos de sobreviventes do Holocausto e outros materiais audiovisuais. O instituto também manterá uma sistemática ação educativa. Estão previstas a realização de oficinas de literatura, teatro e música  que, somadas às Jornadas Interdisciplinares em parceria com a Secretaria Municipal de Educação de São Paulo, têm como objetivo ensinar nossos jovens a não esquecer. Com estratégias multidisciplinares, o ISDH tem o Holocausto como referência para reavaliar as práticas da violência e da intolerância nos dias atuais, em busca de soluções para a construção da cultura de paz e de um mundo melhor.

A preservação da memória histórica é interpretada como um sinal de alerta para a sociedade contra os extremismos e o negacionismo, ainda tão presente no mundo contemporâneo. O conhecimento e a educação são os pilares para se evitar a repetição de atrocidades vivenciadas no passado, como o Holocausto. São fundamentais para se alcançar a tão sonhada convivência pacífica entre diferentes pessoas e diferentes povos e o verdadeiro respeito aos Direitos Humanos.

* Abraham Goldstein é presidente da B’nai B’rith no Brasil

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Aznavour em fotos- álbum pessoal. O mundo perde seu maior cantor contemporâneo.

Conheci Charles Aznavour desde sempre. O primeiro show onde o ví ao vivo foi na inauguração da boate Régine's de Naji Nahas e Régine Zylberberg dia 31 de março de 1981. Aos 18 anos , não podia acreditar que o maior dos maiores estava cantando ali na minha frente, aquelas canções quase "sagradas". Dai para frente nunca deixei de ver Aznavour. Shows, temporadas anuais no Brasil, festas particulares até. Morreu de repente neste fatidico inicio de outubro de 2018 em plena atividade aos quase 95 anos. Nas últimas entrevistas já se sentia o peso da idade. Mesmo no último show em São Paulo no Espaço das Américas, um tremor nas mãos se acentuava. Mas a partir da terceira música, já se tranformava num gigante dos palcos. O que posso dizer? que daqui mil anos ele será ainda cantado e lembrado. Foi único. Conversei com ele no lobby do hotel Enjoy Conrad no Uruguai. Na despedida após a foto de praxe, me disse "Qualquer dia desses a gente se encontra de novo".
Merci x mil …

Régine. Régine's. Uma aventura no Brasil. As noites de São Paulo. Uma lenda da noite mundial. Régine's.

Régine Biografia Brasil 2016-2017 Renato Fernandes e Ovadia Saadia  <Glamurama- Revista JP> 
















"Aquárius" a história faiscante da discoteca mais incrível que já existiu no Brasil (SP)