Pular para o conteúdo principal

Especial Alain Delon, Cannes, Paris, Africa e São Paulo, Regine's Club 1981

Ovadia Saadia.Flash-Back
Página inicial | Fale conosco | Assine a newsletter | TwitterBusca na seção:  

Alain Delon, elogios & correções, por Alfredo Sternheim
03/01/2006 - 11:10

twitterFacebookMy SpaceGoogleTechnoratiYahoo My Web

Ovadia, novamente você resgata de forma agradável e comunicativa momentos do passado esplendoroso de Sampa. Desta vez, a visita de Alain Delon ao Brasil. Mas houve um pequeno equívoco: ele não estava na entrevista com Jacques Charrier. Delon  veio pela primeira vez em 1964 (agosto ou setembro), em plena lua de mel com Nathalie Delon, sua primeira esposa e que era a cara dele. Delon estava no auge da beleza (29 anos) e veio em viagem da Metro para promover o filme "Terei o Direito de Matar?"; sua entrevista foi no hotel Jaraguá e sua presença na estréia no cine Metro parou a avenida São João, gays e travestis gritavam histéricos "lindo", etc...

Charrier veio antes, início de 1963 ou fim de 1962, na companhia de Catherine Deneuve e Jean-Claude Brialy para promover uma semana do Cinema Francês. Na entrevista coletiva no Terraço Martini , no Conjunto Nacional, na avenida Paulista, antes de começar foi pedido aos jornalistas que não fosse feita nenhuma pergunta à Charrier sobre Brigitte Bardot; o casamento dos dois tinha terminado um mês ou algumas semanas antes, ela tinha trocado ele por outro famoso. Mas cinco minutos depois de iniciada a entrevista, algum cronista inconveniente mencionou Brigitte. "Ah, chega", disse Charrier. E saiu acompanhado da bronzeadissima Catherine (ela tinha estado no Rio e a pele descascava no rosto) e Brialy. Assim terminou a coletiva. Delon veio depois.

De qualquer maneira, tua matéria é brilhante. Espero ver mais textos teus nessa linha. E conte comigo.

Um abraço.  

Alfredo Sternheim
Crítico, jornalista, diretor e escritor
Tels: (11) 3666-2785 e 9196-7675  
São Paulo, SP
E-mail: asternheim@uol.com.br

















Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Aznavour em fotos- álbum pessoal. O mundo perde seu maior cantor contemporâneo.

Conheci Charles Aznavour desde sempre. O primeiro show onde o ví ao vivo foi na inauguração da boate Régine's de Naji Nahas e Régine Zylberberg dia 31 de março de 1981. Aos 18 anos , não podia acreditar que o maior dos maiores estava cantando ali na minha frente, aquelas canções quase "sagradas". Dai para frente nunca deixei de ver Aznavour. Shows, temporadas anuais no Brasil, festas particulares até. Morreu de repente neste fatidico inicio de outubro de 2018 em plena atividade aos quase 95 anos. Nas últimas entrevistas já se sentia o peso da idade. Mesmo no último show em São Paulo no Espaço das Américas, um tremor nas mãos se acentuava. Mas a partir da terceira música, já se tranformava num gigante dos palcos. O que posso dizer? que daqui mil anos ele será ainda cantado e lembrado. Foi único. Conversei com ele no lobby do hotel Enjoy Conrad no Uruguai. Na despedida após a foto de praxe, me disse "Qualquer dia desses a gente se encontra de novo".
Merci x mil …

Régine. Régine's. Uma aventura no Brasil. As noites de São Paulo. Uma lenda da noite mundial. Régine's.

Régine Biografia Brasil 2016-2017 Renato Fernandes e Ovadia Saadia  <Glamurama- Revista JP> 
















"Aquárius" a história faiscante da discoteca mais incrível que já existiu no Brasil (SP)