Pular para o conteúdo principal

ALICE "FARFALA" DUTRA, LOVE STORY




Conheci Alice Dutra num momento muito particular da minha vida. Era o ano de 1994. Eu tinha saído da editoria dos 100 Restaurantes da Veja São Paulo, tinha perdido minha jovem mãe e estava prestes a sair da Resenha Judaica onde trabalhei por quase duas décadas ininterruptamente sob a direção do inesquecível e saudoso editor- mito Oscar Nimitz. Lá na Resenha começava uma guerra interna, impublicável. Nunca soube que fim teve, nem nas rezas no túmulo do amado Oscar em 2011. 

Os tempos eram terríveis e apertados e meu adorável pai também estava bem ruinzinho já (foi para o segundo andar em 1998). 

Enfim, uma quinta feira uma senhorinha queridinha da Resenha Judaica, Cléia Wajchenberg, uma RP da comunidade me mandou um bilhete lindo dizendo - Ovadia, gostaria que você conhecesse uma nova pizzaria nos Jardins, uma coisinha linda e aconchegante, o Farfalla. Beijos e assinava. 

Naquele sábado eu tinha ido à casa de Ruth Escobar no Pacaembu, aquele monstro sagrado da história teatral brasileira que oferecia um antipático almoço para o ator mais emblemático vivo da França Michel Piccoli e outros mais que lá estavam (tinha uma moça muito simpática Dominique que trabalho com Isabelle Adjani em A Rainha Margot, sucesso sanguinolento daquela época e um pouco do retorno do cinema francês no Brasil). 

Michel Piccoli tinha trabalhado com todas minhas musas em vários anos e filmes inesquecíveis: Brigitte Bardot, Romy Schneider, Annie Giradot, Elza Martinelli, Anouk Aimée, Sophia Loren, não escapou uma. Incrível que aquele homem tão chato e estranho estivesse na minha frente tão distante e desinteressado de tudo. 

Sai de mal com ele e o cinema francês e sem ter o que fazer, com mais dois amigos, lembrei do convite da velha senhora e fomos achar perdidinha nos Jardins lado chique a Rua Presidente Prudente. Lá estava o Farfalla. Lá estava Alice para uma amizade de toda uma vida, a toute une vie de Claude Lelouch. 

Pizza deliciosa e lá veio ela, tão encantadora quanto as atrizes que não conheci, Alice Dutra, cabelos louros puxados para trás como aeromoça de primeira classe, como Romy em Lês Choses de La Vie . Ficamos amigos em dez minutos. Nunca mais deixei de ir lá e acompanhar o fervilhante dia a dia, mês a mês, ano a ano, década a década da casa, que soube ser sua moradia, de Alice e marido Rubens, nos anos 70 e 80 e quase residência do então presidente do Brasil, Fernando Henrique Cardoso, o FHC e Dona Ruth. 

Passaram-se cardápios, passaram-se verões e invernos. Passaram-se ações de RP, Joyce Pascowitch publicou na sua então maravilhosa coluna da Folha de São Paulo a receita do RISOTO AL LIMONE, que tão bom só existia no hotel Hassler Villa Médici de Roma. Coisas da assessora Silvana Melky, uma das donas da história. 

Mudou o Farfalla que virou Ristoranti, espaço para eventos, bufê para eventos fora da matriz. Mudou o país, mudaram as pessoas.Alice tímida foi crescendo passo a passo, momento a momento. Veio almoço do dia, abarrotado, vieram shows ao vivo, vieram atrações e muitos eventos deliciosos; de casamentos a shows de jóias. Estão lá perpetuados em matérias na CARAS irresistível, na Internet, nos sites da Vogue. 

Eu acompanhando a Farfalla Alice, ela me acompanhando: os anos Maksoud Plaza, os anos Paris e Londres, o Plaza Athenée, Os anos Conrad, a paixão mútua por Punta Del’Este eo Uruguai. O hotel Renaissance em São Paulo e o meu próprio renascimento. Os anos Meliá, os anos World Trade Center, os anos Gran Meliá Mofarrej, O início do Tivoli Mofarrej. Os filmes, as avant première do Maksoud que São Paulo até hoje morre de saudades. Alice Adorava. Os anos dos hotéis Caesar Park e a festa do filme Uma noite para Voar, em 2009. 

No Farfalla eventos, comida deliciosa, mesas de socialites, a histórica passagem de Sarita Montiel, a Violetera, numa sexta de casa lotadíssima quando uma senhorinha desavisada foi ao pés da diva espanhola e pediu: “- daria para senhora cantar um pouco para mim...”. Que mulher bonita e interessante comentou comigo Sarita na esquina do Farfalla, quando subiu o vestido para mostrar para mim e ao decorador floral e cerimonialista parceiro também de Alice, o Wilson Dimitrov, suas pernas perfeitas aos quase 80 anos. Será que foi um sonho? Muitas coisas no Mondo Farfalla parecem oníricos. E o Aldo do Ministério Público indo lá só para Alice ouvir sua frase favorita não pelo sagrado bufê do SDr. Nilson, mas pela pretensão bem humorada de cronista de Guaxupé, MG: "-Alice, não aguento aquela mesmice da Mansão França..." 

Shows, jantares com Wanderléa, Marlene Silva, Rosemary, Eliana Pittman, Amaury Jr, Ciro Batelli e todo who’s who em outras mesas das colunas de Tavares de Miranda. Personagens que eu via quando jovem nas colunas de Alik Kostakis e Maria Aparecida Saad. O Farfalla era um retaro de colunas social a certa altura de sua carreira. Meus dois aniversários mais movimentados tiveram Alice por perto: um no Farfalla em 1997 com todos os donos de hotéis chiques na época e todas as camélias e orquídeas que haviam na cidade a luz de velas que Clodovil, severo, severo, classificou de “insuperável”. Um outro em 2009 no palazzo de Oscar Mikail alice preparou o bufê que deixou boquiaberto de Giancarlo Bolla, o Mr. Leopolldo, Meusieur La Tambouille, Mr. Bar dês Arts a Clemente Napolitano, DJ e um dos maiores festeiros de São Paulo surpreendidos. E todo um jet set paulistano. Obrigado Alice, obrigado. 

Nestes quase 20 anos abriram 2.700 restaurantes na cidade de São Paulo, fecharam uma média de 65% deles. O Farfalla against all odds está lá incólume. Um novo arranjo de flores frescas, uma nova louça, uma nova sobremesa, um novo maitre, uma reserva de turma jovem e curiosa. Os publicitários da moda. A força de Scarlett O’Hara , se hoje não foi tão bem, amanhã será ótimo. 

...E O vento Levou e aquela senhorinha RP da colônia judaica já morreu sem que eu pudesse lhe agradecer a gentileza, agora lembrei que ela tinha também me telefonado, Dona Cléia, voilá! Deus lhe pague e abençõe todas as gerações dos seus que devem estar por aí. 

Até já, até sempre, vida longa a Alice e todos os seus e toda sua brigada. 

Por Ovadia Saadia 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Aznavour em fotos- álbum pessoal. O mundo perde seu maior cantor contemporâneo.

Conheci Charles Aznavour desde sempre. O primeiro show onde o ví ao vivo foi na inauguração da boate Régine's de Naji Nahas e Régine Zylberberg dia 31 de março de 1981. Aos 18 anos , não podia acreditar que o maior dos maiores estava cantando ali na minha frente, aquelas canções quase "sagradas". Dai para frente nunca deixei de ver Aznavour. Shows, temporadas anuais no Brasil, festas particulares até. Morreu de repente neste fatidico inicio de outubro de 2018 em plena atividade aos quase 95 anos. Nas últimas entrevistas já se sentia o peso da idade. Mesmo no último show em São Paulo no Espaço das Américas, um tremor nas mãos se acentuava. Mas a partir da terceira música, já se tranformava num gigante dos palcos. O que posso dizer? que daqui mil anos ele será ainda cantado e lembrado. Foi único. Conversei com ele no lobby do hotel Enjoy Conrad no Uruguai. Na despedida após a foto de praxe, me disse "Qualquer dia desses a gente se encontra de novo".
Merci x mil …

Régine. Régine's. Uma aventura no Brasil. As noites de São Paulo. Uma lenda da noite mundial. Régine's.

Régine Biografia Brasil 2016-2017 Renato Fernandes e Ovadia Saadia  <Glamurama- Revista JP> 
















"Aquárius" a história faiscante da discoteca mais incrível que já existiu no Brasil (SP)